quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

A Justiça tarda mas não falha. #sosaguabranca

Nosso blog abre espaço para agradecer ao Ministério Público Federal do Amazonas, que acolheu nossa denúncia e vai investigar liberação de licenças ambientais emitidas pela SemmasManaus que culminaram com desmatamento de uma área gigantesca em APP no Tarumã, conforme foto ao lado.
O Ong Mata Viva defende o desmatamento zero na Apa-Tarumã. Sabemos que isso é uma utopia, mas insistimos na necessidade imperiosa e inarredável de se preservar este último corredor ecológico da cidade.

Animais estão morrendo com tais brutalidades. Nascentes e igarapés sendo soterrados para dar lugar a galpões, fábricas, comércios e casas. Encontrar animais mortos todos os dias nestes locais desmatados, já virou rotina para nós. Isso precisa parar. Nestas florestas ainda vivem os últimos bandos de Sauins-de-Manaus (Saguinus bicollor) ou melhor Sauin-de-Coleira, pois este animal (que é símbolo de Manaus) nunca deveria ter mudado de nome, uma vez que nossa cidade não busca sua preservação, ao contrário incentiva sua extinção.


Agora o Ministério Público vai apurar todos os desmandos ambientais dentro da Apa-Tarumã. Os verdadeiros culpados pela grande e quase irreversível destruição do meio ambiente vão ser punidos e uma nova ordem pode resgatar a qualidade ambiental do local.
Agradecemos ao Jornal A Crítica que publicou nossa denúncia e deu voz aos moradores da Apa-Tarumã que lutam quase sozinhos  por um bem que é de toda nossa cidade: A Floresta e seus habitantes.
veja a matéria na íntegra.
http://acritica.uol.com.br/amazonia/Manaus-amazonas-amazonia-Ministerio-Publico-Protecao-Ambiental-AM_0_827317267.html


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Manaus expõe suas feridas urbanas

A destruição ambiental em Manaus está fora de controle. Onde deveriam haver florestas intactas, o que se vê é uma verdadeira desertificação de áreas protegidas por Leis municipais, estaduais e federais. Estamos nos referindo às APP's - Áreas de Proteção Permanente, localizadas em baixios, alagados e margens de igarapés ou nascentes. Aqui neste local na Avenida do Turismo, próximo ao acesso para marina Tauá uma enorme APP virou deserto.



\É estarrecedor o grau de insanidade que norteou a outorga de licença ambiental emitida pela SemmasManaus para que o local fosse assim devastado. Como  um órgão que deveria proteger a vida silvestre e ecossistemas importantíssimos para a qualidade ambiental em nossa cidade, pode autorizar tal brutalidade. As feridas urbanas de Manaus, estão expostas e vão cobrar seu preço.

A cidade precisa crescer, isso todos sabem. Mas crescer não pode significar destruir, desfigurar, alterar completamente e causar danos irreversíveis. Não podemos comprometer a qualidade de vida de nossas futuras gerações. É isso que estamos fazendo. Quando uma autorização para desmatamento parte de quem deveria proteger, a sociedade civil organizada precisa reagir e exigir reparações. É isso que fazemos: Lutar pelo bem comum. Lutar pela conservação ambiental é lutar pelo bem social. Nós moradores do Tarumã, vamos continuar lutando, denunciando e exigindo respeito com a vida.

Consideramos o Tarumã como o quintal da cidade de Manaus. A última fronteira verde dentro da cidade. O maior e mais importante berçário de nascentes e igapós da cidade. Aqui ainda temos cachoeiras que podem reviver e igarapés que simplesmente não querem morrer. Amamos nossa cidade e já estamos há muito tempo dizendo: Pare a Destruição. Dê uma chance para a vida!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Animais incríveis ainda sobrevivem nas matas do Tarumã.

Todos os dias encontramos animais mortos, desorientados ou simplesmente desalojados de seus ambientes naturais, destruídos pelo avanço insano da cidade sobre os últimos fragmentos florestais da Apa-Tarumã. Animais como este besouro gigante (comuns no Tarumã), podem simplesmente desaparecer por completo antes mesmo de serem catalogados. Aparentemente eles não fazem falta nenhuma quando desaparecem, principalmente por se tratar de ilustres desconhecidos da população e muitas vezes até da ciência.


Nas florestas cada vez mais fragmentadas pela destruição quase completa do ecossistema da Apa-Tarumã, milhares de ilustres desconhecidos fazem um trabalho silencioso, anônimo, diário e gratuíto que garante a sustentabilidade e qualidade de vida da nossa cidade. Os morcegos que habitam as florestas, são polinizadores especializados e também exterminadores de insetos nocivos ao homem. Mesmo assim, estão ameaçados de extinção por causa da destruição do seu lar: As florestas do Tarumã.


Defendemos a criação do Parque do Corredor Ecológico das Cachoeiras Alta e Baixa. Ele até já foi delimitado e criado pela SemmasManaus, mas tudo ficou só no papel. Agora Manaus terá uma nova administração municipal. Acreditamos muito nas promessas do Prefeito Artur Neto, que garantiu a criação dos parques. Sem os parques não seremos a cidade verde da Copa. Sem os parques perderemos mais florestas e consequentemente qualidade ambiental. Sem os parques o Sauin-de-Coleira será exterminado nas florestas próximas da cidade.
O arvorismo poderá ser a principal atração dos Parques.
É hora de unir esforços e ajudar a nova administração municipal. Acreditamos no fim do ostracismo, incompetência e omissão da atual administração da SemmasManaus. Que venha logo um novo tempo com mais respeito e compromisso com o meio-ambiente da nossa cidade.
#ParquesJá!

domingo, 21 de outubro de 2012

Papagaio da Amazônia


 Com os açaizeiros carregados logo chegam os despertadores do Tarumã, seis horas da manhã um bando de curicas tomam conta da palmeira.
Cheios de graça se alimentam e dão um show de acrobacias. Nas margens do igarapé , vários pés de açaí e buriti  foram vários pés de açais, bacabeiras e buritizeiros foram plantados pela Ong #MataViva especialmente para as aves que sempre passam por aqui. Além das curicas, papagaios, periquitos, japiins e até araras costumam se alimentar nas fruteiras.
Mesmo com tanta destruição na floresta do Tarumã ainda é possível avistar e admirar esses animais.
Com vários condomínios e fábricas se instalando na área será quase impossível preservar a vida de milhares de espécies que dependem deste ecossistema.
Difícil lutar pelos direitos da APA do Tarumã quando todos os empreendimentos irregulares possuem autorização dos órgãos que deveriam impedir esse tipo de ação , como a secretaria de meio ambiente que não mostra nenhum tipo de zelo pelas florestas , nascentes e igarapés da cidade de Manaus.
A coleta de água que vinha sendo feita no igarapé Água Branca foi paralisada no começo do ano e até agora não temos uma resposta concreta de quando vão voltar a ser feita. Publicamos estas fotos e milhares de outras em nosso blog para mostrar para gerações futuras como florestas enormes foram destruídas e os animais que desapareceram junto com elas.

Filhote de pica- pau

Nesta manhã um filhote de pica - pau aguardava na árvore ao lado da palmeira de inajá , enquanto sua mãe ou pai  pegava as amêndoas  para alimentá lo .
Segundo pesquisadores o macho fica vários anos com a mesma fêmea constroem os ninhos juntos e se revezam na chocagem dos ovos , cada ninhada tem em média 3 pequenos ovos brancos . Os filhotes são muito dependentes dos pais,  o macho além de buscar a comida , tritura o alimento e coloca no bico do pica - pauzinho.
Alimentam - se principalmente de larvas que vivem e destroem o interior das árvores e de insetos que encontra na casca dos troncos , ou seja o pica - pau tem papel fundamental no controle das larvas e insetos que poderiam prejudicar outras árvore.
Biólogos e ornitólogos acreditam que o pica - pau sabe onde martelar através de sua grande capacidade auditiva.
Para capturar sua presa no interior das  árvores ,o pica -pau martela o tronco com o bico abrindo buracos e explorando com sua língua longa, cilíndrica , pegajosa de ponta afilada e flexível. A língua pode chegar a ser cinco vezes maior que seu bico.

Em outra postagem mostramos um pica-pau se alimentando  junto com um esquilo na palmeira do inajá. Aqui nas margens do igarapé Água Branca é possível ver várias espécies de pica -paus. Eles são um tanto arredios sendo difícil  fotografá-los.

 Amêndoa do inajá , muito apreciada pelo pica- pau e também por macacos e esquilos. (foto ao lado ).





Postagem e fotos : Michele Moraes
Informações :http://www.infoescola.com/



sábado, 22 de setembro de 2012

Pica-Pau Amarelo do Tarumã se chama Pica-Pau Velho na reserva da Bodoquena no Mato Grosso do Sul

Em nossas matérias sempre destacamos a importância ambiental de nossos últimos fragmentos de florestas urbanas no entorno de Manaus, com destaque para as florestas da #Apa-tarumã onde milhares de árvores, dezenas de igarapés, nascentes, cachoeiras, igapós abrigam uma fauna exótica composta de animais raros e ameaçados.
O Sauim-de-coleira (saguinnus bicolor) é apenas um exemplo. Nosso pedido de socorro e misericórdia para estes últimos santuários de vida, ao invés de comover, parecem incomodar e atiçar rancor nas autoridades constituídas que deveriam estar protegendo estas áreas, mas na verdade estão patrocinando a destruição oferecendo licenças ambientais suspeitas para instalação de fábricas, condomínios e até indústrias  na #Apa-Tarumã.
Ontem vendo o Globo Repórter conheci a bela Reserva da Bodoquena no Mato Grosso do Sul. Foi uma grande surpresa ver o mesmo pica-pau amarelo fotografado aqui no quintal da nossa casa no Tarumã, vivendo na Reserva. Lá ele é conhecido como Pica-Pau Velho. Não sei se o nosso vai prá lá ou se o de lá vem prá cá, ou mesmo se são apenas parentes que vivem separados. Lá na Reserva é um animal catalogado e protegido. Aqui apenas mais um passarinho idiota. Ninguém liga prá passarinhos idiotas aqui. Este pássaro frequenta uma floresta condenada aqui. Por aqui florestas perto da cidade não passam de mato a ser derrubado. Florestas urbanas aqui, não têm a menor importância.
Nós do Blog Água Branca estamos fazendo nossa parte para chamar a atenção dos moradores de Manaus sobre a necessidade de se proteger estes fragmentos florestais de forma correta. É preciso parar toda a destruição que já ameaça quase a totalidade destes fragmentos urbanos de floresta. Este pássaro em particular está demonstrando toda sua capacidade de adaptação, sobrevivendo em um ambiente cada vez mais pobre, sem alimento, abrigo e água limpa. Veja neste endereço http://bonitobirdwatching.blogspot.com.br/ como é belo um ecossistema preservado. Saiba que existem muitas alternativas sustentáveis para florestas urbanas como as nossas aqui da #Apa-Tarumã.   

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Sucuri no Água Branca


Hoje conseguimos flagrar uma sucuri - a famosa anaconda.
Eram 11:30 da manhã quando fomos surpreendidos pela cobra mais temida da Amazônia. Essa foi a primeira vez que conseguimos registrar sua presença no igarapé,  hà dez anos atrás moradores da rua Caravelle pegaram uma sucuri de seis metros mas não havia fotos ,somente o relato dos quatro homens que seguraram a gigante.
Pelo tamanho parece ser filhote, mas mesmo assim assusta . Ficou totalmente camuflada na água e depois foi para parte mais funda onde sempre tomamos banho...simplesmente não dava para ver nada.
Um presente e ao mesmo tempo uma preocupação pois muitas crianças tomam banho no igarapé e não sabemos para onde foi, então provavelmente ficará com o banho só para ela por um bom tempo.


A sucuri é uma cobra sul- americana da família Boidae, pertence ao gênero Eunectes. Tem a fama de ser uma cobra enorme e perigosa, também são conhecidas como boiaçú, boiçú, boiuna, sucurijú, arigbóia e sucuriú.
Existem quatro espécies de sucuri :
. sucuri - amarela , menor e endêmica do Pantanal;
. sucuri - preta, maior e mais conhecida , ocorrendo em áreas alagadas do cerrado e da Amazônia;
. sucuri - malhada , endêmica da Ilha de Marajó ;
. sucuri - da -bolívia .

A sucuri pode viver até 30 anos , é a maior serpente do mundo e as fêmeas são maiores que os machos atingindo a maturidade sexual depois dos seis anos de idade.

Sua banha é usada pelo povo Guarany e demais povos da floresta desde épocas imemoriais para erisipela , reumatismo e contusões .
Essa foi mais uma história dos encantos do igarapé Água Branca , sempre com uma surpresa inesperada para quem convive no local e para os que visitam no virtual !!!







Texto e imagens :  Michele Moraes (administradora do blog )

sábado, 18 de agosto de 2012

A beleza e o poder da Bromélia da Amazônia





A equipe do Laboratório de Polímeros Condutores e Reciclagem do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) faz estudos sobre a fibra de Curauá, uma espécie de bromélia que nasce na região Amazônia. A fibra de Curauá tem resistência mecânica da mesma ordem de grandeza da fibra de vidro. A diferença entre as duas é que a fibra de vidro é produzida por um processo industrial com altíssimo consumo de energia, já a fibra de Curauá é originária de uma fonte renovável, o que diminui esse consumo.
Conforme o coordenador do projeto, o professor Marco Aurélio de Paoli, a fibra será empregada em vários materiais, entre os quais, em termoplásticos em geral, nylon, polietileno e polipropileno e, num
futuro próximo, no nylon-6.
Para se obter a fibra de Curauá, as folhas da planta passam por um processo  chamado “descordicação”, no qual são separadas da mucilagem, sendo esta usada como alimento animal. O processo para obter a fibra gasta menos energia, contribuindo para o meio ambiente, pois há menor pesos das peças de plástico e créditos de carbono, ou seja, menor emissão de CO2. A fibra de Curauá é produzida nas proximidades de Belém e de Santarém no Pará, de acordo com Paoli, a fibra é pesquisada desde a década de 90, “os índios e os habitantes do interior do Pará a usam para confeccionar redes, cordas e roupas”, diz. As peças de termoplástico reforçadas com essa fibra tem a mesma durabilidade das peças reforçadas com fibra de vidro.




A floresta do Tarumã abriga milhares destas espécies . caminhando  pela mata ciliar do igarapé é possível apreciar belíssimas flores de bromélias.
Mais um motivo para preservarmos toda essa riqueza , queremos o Tarumã vivo hoje e sempre !!!!









.








segunda-feira, 16 de julho de 2012

O Tarumã abriga Mini Pica-Pau raro.

Mesmo com tanta destruição ainda é possível encontrar espécies raras como esse mini Pica- Pau no Tarumã. Seu canto é inconfundível e sua beleza encantadora , nas nosssas pesquisas não encontramos detalhes sobre ele mas sabemos que existem várias espécies de mini Pica -Paus .
Bem menor que o Pica -Pau normal  o barulho quando bate nas árvores é tão alto quanto o grande.
Sempre que aparece está sozinho , divide a árvore com outras espécies de pássaros.

 
Tucanos e Araçaris também estão chegando para se alimentar dos últimos buritis da safra que começou no inverno e já está chegando ao fim. Mas  a comida está garantida com a florada das bacabeiras e Patauazeiros que já estão com cachos carregados.
Tememos pelo completo desaparecimento de pássaros tão belos  e exóticos. Pouco sabemos sobre eles e sua distribuição e quantidade. percebemos apenas que estão aparecendo em grupos cada vez menores talvez por causa da grande destruição de florestas que vem ocorrendo diariamente no Tarumã.

O pássaro ao lado é desconhecido para nós. Belíssimo e muito tímido, aparece de vez em quando e quase não se deixa fotografar. Parece ser solitário ou então tem um parceiro com plumagem  completamente diferente. Estes animais não estão sendo catalogados, estudados e nem protegidos. As florestas que servem de abrigo também passam pelo mesma situação de abandono e destruição. Não se ouve uma voz sequer de autoridades ou administradores públicos interessados em proteger ecossistemas inestimáveis como os que ainda resistem intactos na Apa-Tarumã.
Precisamos destacar que o lar destes animais é o igarapé da Água Branca, com suas margens ainda conservadas e cheias árvores centenárias que precisam continuar vivas para que Manaus tenha alguma chance de futuro com melhor qualidade ambiental.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

#Enchente record no #Amazonas e o #Igarapé Água Branca


A enchente deste ano no Amazonas, bateu todos os recordes. O que antes era considerado inusitado (nível das águas atingindo 30 metros acima do nível do mar), agora  parece que vai fazer parte da nova realidade ambiental em Manaus.  Em 1953 a enchente foi enorme. Alagou toda a frente da cidade. Em 2009 o fenômeno se repetiu e agora em 2012 se consolidou com record absoluto. O Rio Negro já ultrapassou a marca dos 29,80 e com certeza vai passar dos 30 metros antes do final de junho, época do início das vazantes.    


Na Bacia da Apa-Tarumã, o cáos já está instalado. Famílias que moram nas margens dom igarapé da Cachoeira Baixa já estão desabrigadas e milhares de residentes das comunidades do Tarumã-Açu e Mirim, também estão desalojadas. A cheia é tão intensa que o Igarapé Água Branca - que não está sob influência direta do Rio Negro - já apresenta nível das águas com alterações significativas, pois foi represado pelas águas do Igapó do Tarumã-Mirim.

Tudo muda neste contexto de cheia. No Água Branca novas espécies de peixe (bem maiores que os habitantes   fixos) estão aparecendo, bem como grande quantidade de serpentes que estão sendo expulsas das margens alagadas dos igarapés vizinhos. Antes para chegarmos no igapó do Tarumã Mirim, partindo de nossa casa, caminhávamos cerca de 40 minutos pelas margens do Água Branca. Agora em menos de 05 minutos chegamos ao grande igapó. A água avança por todos os lados.    

O que se pode esperar destas respostas tão imediatas da natureza, que parece reagir com todo seu poder aos impulsos destrutivos, descontrolados e equivocados do homem que cada vez mais investe sobre áreas que deveria permanecer intactas para se garantir um mínimo de conservação? É evidente o quadro de desequlíbrio.
Ninguém parece ousar dizer o que vem pela frente. O que nós sabemos é que a situação que já é ruim, vai piorar. Os igarapés que cortam a cidade e que foram invadidos desordenadamente sob o olhar conivente das autoridades, agora reclamam suas margens destruindo o que o homem construiu de forma despreocupada, irresponsável, muitas vezes criminosa e com reflexos que só agora estamos experimentando.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Peixe Sabão do João

Oi, meu nome é João Miguel tenho 11 anos e moro na frente do igarapé Água Branca.
Vou contar sobre o  peixe sabão que peguei ,deixei uma linha armada de  tarde , a noite fui ver e achei que não tinha nada mas no outro dia quando cheguei no igarapé vi algo se mexer na água então fui checar e quando cheguei lá tinha um peixe todo engatado em um cipó.
Desembolei a linha e levei o peixe para casa, coloquei em um balde com água e fiquei observando... ele era parecido com o tucunaré, pirarucú e um pouco com a matrinxã. Fiquei com pena de matar , tirei as fotos e soltei  no igarapé. Vejam as fotos:





Agora sim consegui postar direito e tenho muitas histórias legais pra contar...tchau !!!!!





sexta-feira, 27 de abril de 2012

Macaco Parauacu.... No Tarumã ainda tem !!!!

O macaco-parauacu,  é encontrado em vários tipos de florestas, apresenta hábitos arborícolas e explora principalmente a região abaixo da copa das árvores. Ocorre em alguns países da região norte da América do Sul, como aqui no Brasil (na região Amazônica), Suriname, Guiana e Guiana Francesa. É um macaco que possui uma vasta pelagem na cabeça, dorso e na cauda, e uma pelagem escassa ou ausente na parte ventral do corpo. 

Esta espécie é a única do gênero (Pithecia) em que existe dimorfismo sexual, ou seja, o macho e a fêmea apresentam características diferentes. O macho possui o corpo com coloração negra e a face branca-amarelada e a fêmea pode apresentar uma coloração amarronzada ou acinzentada-grisalha, com duas linhas brancas ou marrons que vão do canto dos olhos ao canto da boca. O corpo mede de 30 a 48 cm e a cauda de 25 a 55 cm. A dieta é composta principalmente de frutas (60 %) e sementes (33 %), mas também se alimentam de flores, folhas e até pequenos animais, como morcegos e aves. 
                                                                                         Fonte:http://www.zoologico.sp.gov.br/mamiferos/macacoparauacu.htm

Aqui nas margens do Água Branca eles sempre aparecem na Pameira  Inajá, a mesma que o Esquilo e o Pica -pau estavam compartilhando no vídeo acima. Com seus dentes caninos quebram as nozes, são conhecidos também por macacos - voadores por causa de seus super saltos.
De  hábitos diurnos, pesam cerca de 1,5 Kg quando adultos, e chegam a viver 14 anos. 
video

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Um belo exemplo de harmonia e respeito !!!!

video




A pedido de nossos estimados seguidores escolhemos os melhores vídeos para postarmos e esse é um deles.
No alto da Palmeira Inajá flagramos uma dupla sensacional compartilhando as amêndoas , o Pica-pau de cabeça vermelha  e o Esquilo .
Na verdade quando começamos o filme só o Pica- pau  estava comendo e de repente o Esquilo apareceu  roubando a cena....
O Esquilo já é um morador da Palmeira e o Pica- pau apenas um visitante, de vez em quando se davam umas olhadas mas deram um show de compartilhamento ou simplesmente comensalismo.



domingo, 22 de abril de 2012

Parece mas não é !!!!!!!!


Aqui no Tarumã é assim ...nunca estamos sozinhos, parece que sempre tem alguém nos observando .

 É preciso ter olhos bem atentos para enxergar em meio a floresta  seus habitantes com camuflagens cinematográficas.
Esse Sapo Albino estava pendurado na folha de um galho alto que mais parecia um fungo, infelizmente não encontramos nada sobre este sapo mas continuaremos pesquisando .

O esquilo Quatiporú tem a cor dos troncos e é capaz de fazer mil malabarismos para que ninguém o perceba, só não consegue esconder o barulho dos seus fortes dentes roendo as sementes.
O símbolo de Manaus  Sauim de Coleira, que ainda habita fortemente nas florestas do Tarumã também quase não aparece em meio aos reflexos do sol , igualmente ao esquilo sabemos que está por perto por causa dos seus assovios.


Aqui a Jararaca na beira do igarapé,  enquanto as crianças tomavam banho ela pegava um solzinho em cima dos sacos de contenção . É claro que quando  foi vista todos saíram correndo !!!

Abaixo a Cobra Cipó se confunde com os galhos , todo cuidado é pouco com elas pois se arrastam sem fazer barulho e passam como água entre as folhas sem mexer em nada. Geralmente não são agressivas , o perigo está em pisar sem ver.






O Bicho Folha é outro expert em camuflagem , existem diversas espécies que imitam os mais variados tipos de folhas inclusive as folhas podres.
Grandes e pequenos quase impossíveis de perceber porque quando se sentem ameaçados brincam de estátua permanecendo parados se igualando as plantas.
Esses animais são importantíssimos para o ecossistema do Tarumã e o Igarapé Água Branca fundamental para a sobrevivência de todo tipo de vida animal e vegetal .



Apesar de ser uma APA e ter o direito de preservação os condomínios continuam se instalando nas proximidades do igarapé , sendo que todo dia áreas enormes do Tarumã estão sendo derrubadas e centenas de nascentes sacrificadas.
A cada dia que passa fica mais difícil conter tanta destruição .
Propagandas enganosas de condomínios ecológicos que derrubam áreas enormes de mata , matam e desabrigam os animais nativos e depois plantam algumas palmeiras imperiais para enfeitar estão tomando conta de Manaus.
Até onde vamos com tanta estupidez e falta de consciência de nossos governantes que parecem ter parado no tempo.
Agradecemos a todos que nos acompanham nessa batalha e nos animam a continuar .
O TARUMÃ AINDA É O PULMÃO DE MANAUS E NÃO PODE MORRER !!!!!!!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Grandes reflorestadores da Amazônia

As quase 1.000 espécies de morcegos no mundo comem os mais variados alimentos.
Eles são os grandes responsáveis pelo reflorestamento, sem eles as florestas estão  condenadas, além de predadores de um vasto número de pragas agrícolas e vetores de doenças.
São os únicos mamíferos que voam.
Os morcegos comedores de frutas, os frugívoros, espalham sementes. Bananas e Jabuticabeiras  são frequentemente visitadas por eles.
Alguns morcegos se especializaram em comer pólen ( Polinívoros ) , ao passear de flor em flor eles vão fazendo a polinização e criando vida.
Os carnívoros usam sua poderosa visão ,a ecolocalização e sons emitidos de suas presas para encontrar comida.
Morcegos pescadores ( Piscívoros) capturam suas presas dentro da água e usam a ecolocalização durante a pescaria.
Os morcegos Hematófagos ou vampiros se alimentam de sangue. Alguns de aves e pássaros, outros de grandes animais como vacas e cavalos.
Estudos feitos com as substâncias anticoagulantes presentes na saliva desta espécie (Hematófagos ) poderão ajudar a salvar vidas de pessoas com doenças do coração.
...ENTÃO...
QUEM MATA MORCEGO DESMATA !!!!!!!








segunda-feira, 16 de abril de 2012

Workshop sobre Sustentabilidade nas margens do Água Branca



 Foi realizado nas margens do igarapé Água Branca, nos dias 14 e 15 de abril de 2012, o Workshop "Muito Além  da Sustentabilidade "com Thomas Enlazador .( Ambientalista, Mestre em Gestão e Políticas Ambientais, Cientista Jurídico com foco  em Legislação e Educação Ambiental ,coordenador do Centro Ecopedagógico Bicho do Mato (área rural de Recife ), membro do Fórum Social Mundial e idealizador das Aldeias da Paz nos Fsms ).




Com vários temas envolvidos com a sustentabilidade o curso foi muito produtivo e possibilitou novas experiências e trocas de informações entre os participantes.
Durante as aulas foram desenvolvidas várias dinâmicas entre elas algumas vivências na mata.
Foram dois dias intensos de aprendizado muito bem aproveitados.
O Workshop foi organizado pelo Transition Manaus e Green Hera.


Participantes na experimentação da feirinha de trocas. Aqui o capitalismo selvagem passou longe.









 Vivências no meio da floresta do Tarumã.















Hora de agradecer e trocar contatos. 
Muita coisa boa com certeza vai sair deste encontro. Que venham as eco-vilas.